Os NFT transformam a relação entre fãs e artistas, estabelecendo uma forma direta de remuneração a quem vende arte e um novo conceito de posse a quem compra.

Do ponto de vista do investimento, as obras artes são uma classe de activos que faz parte das carteiras de investimento de muitos indivíduos de rendimentos elevados. No entanto, os investidores com menos meios económicos não têm acesso a este tipo de classe de activos.

A tokenização de obras de arte e do mercado de entretenimento poderia, potencialmente, resolver muitas das ineficiências dos sistemas actuais, desde a propriedade fraccionada, proveniência, gestão de direitos digitais e liquidação, até ao crowdfunding. Os tokens poderiam também permitir novas obras de arte derivadas.

No que à arte diz respeito, os objectos de investimento mais atractivos são muito caros e os preços são ditados por casas de leilões e galerias que normalmente existem em número reduzido, o que resulta numa baixa liquidez do mercado. Para complicar ainda mais a questão, a manutenção de peças de arte é dispendiosa e realizada em bunkers, e não nas salas de estar das pessoas que investiram nelas. Além disso, a compra e venda das obras de arte é actualmente acompanhada por um pesado processo de documentação, para garantir a autenticidade e a proveniência de uma obra de arte, o que é um pré-requisito para garantir valor. O sistema actual depende de intermediários de confiança que gerem uma manta de retalhos de bases de dados ao longo da cadeia de fornecimento de arte, gerindo os certificados digitais que garantem o valor. O mesmo se aplica à indústria musical, à indústria cinematográfica e à indústria editorial quando se trata de liquidação de direitos de autor para artistas por parte das editoras, gravadoras, estúdios cinematográficos, ou serviços de streaming online. O acordo de royalties acontece com um atraso considerável de vários meses a, por vezes, anos. O processo é ineficiente e altamente intransparente. A tokenização de obras de arte e do mercado de entretenimento poderia, potencialmente, resolver muitas das ineficiências dos sistemas actuais, desde a propriedade fraccionada, proveniência, gestão de direitos digitais e liquidação, até ao crowdfunding. Os tokens poderiam também permitir novas obras de arte derivadas. Exemplos seleccionados de projectos que já estão envolvidos na tokenização da arte são: “Artex”, “Artory“, “Ara”, “ArtWook”, “Audius”, “BitSong”, “Blockchain Art Collective”, “Blockgraph”, “Braid”, “Custos”, “Comcast”, “Curio”, “Cards”, “Dada”, “nyc“, “Feedbands”, “Filmchain”, “Livepeer”, “Looklateral”, “Maecenas”, “Musicoin”, “Plantoid”, “re8tor”, “RNDR”, “Snark.art”, “SOUNDACC”, “Tatatu”, “The Art Token”, “Ujo”, “Verisart”, “VooGlue”, “Vezt”, “Viberate”, “Vevue”, and “White Rabbit”.

Propriedade Fracionária: Os indivíduos de menor rendimento, que normalmente seriam excluídos desta oportunidade de investimento, poderiam comprar uma fracção de uma obra de arte cara. Isto poderia levar a um aumento da procura de investimentos em arte, aumentando potencialmente os preços globais da arte e a produção de novos tipos de arte, democratizando e diversificando o mercado. A principal questão que se coloca neste contexto é como pode ser gerida a propriedade colectiva de uma obra de arte. A obra de arte em si poderia, por exemplo, ser mantida por um depositário que tivesse a experiência de manter uma colecção de arte, cujo custo seria suportado por todos os detentores de tokens da peça. Os pagamentos seriam geridos e executados através do contracto inteligente. Um exemplo precoce é a pintura de Andy Warhol, “14 Pequenas Cadeiras Eléctricas”, que foi tokenizada e vendida em “Maecenas” em 2018. A pintura foi tokenizada e fracionada na rede Ethereum, os certificados de propriedade foram geridos por um contracto inteligente e tornaram-se verificáveis publicamente, e podiam assim ser negociados na plataforma Maecenas.

Proveniência: A arte tokenizada poderia abrir o caminho para um mercado mais transparente, onde os potenciais investidores têm acesso a obras de arte verificadas. A atribuição de proveniência utilizando tokens geridos por uma infraestrutura pública poderia resolver os desafios dos sistemas convencionais, como a corrupção, a contrafacção, e a pirataria. O sistema actual depende de intermediários de confiança que gerem uma fragmentada manta de retalhos de bancos de dados, onde estes certificados digitais são armazenados. Inversamente, os sistemas de tokens utilizariam hashes e criptografia para verificar publicamente a proveniência das obras de arte. A gestão das transferências de propriedade seria conduzida por contractos inteligentes, a custos drasticamente mais baixos, permitindo a liquidação em tempo real..

Gestão de direitos: Os contractos inteligentes são instrumentos de gestão de direitos. A tokenização permite uma gestão mais transparente e desintermediada dos direitos de propriedade intelectual e a subsequente liquidação em tempo real dos direitos de autor. As obras de arte poderiam facilmente ser alugadas a uma galeria, os músicos poderiam cobrar os seus direitos de autor mais rapidamente, e a partilha geral de receitas entre fornecedores de plataformas e artistas poderia ser gerida pelo contracto inteligente em tempo real, uma vez que uma canção/filme/livro seja transmitido ou descarregada. As taxas de royalties poderiam ser liquidadas directamente, sem editoras, estúdios cinematográficos, ou serviços de streaming agindo como intermediários, que muitas vezes compensam os artistas e contribuintes com um atraso significativo no tempo. Os royalties poderiam ser liquidados sob a forma de tokens que são enviados ao artista em tempo real, com base no número de pessoas que viram a sua arte, assistiram o seu filme ou ouviram sua faixa de áudio, ou leram o seu post

Financiamento/investimento colaborativo: Os tokens também podem ser utilizados para o crowdfunding de futuros projectos artísticos, os quais os seus investidores poderiam possuir como uma fracção ou como um todo. Qualquer pessoa que contribua para o financiamento de um projecto artístico poderá receber uma parte proporcional do valor tokenizado deste projecto, aceitando os termos estabelecidos no contracto inteligente. O artista poderia definir o contracto inteligente de forma a que ele mantenha uma parte da obra de arte produzida, enquanto outros detentores de tokens são livres para vender os seus tokens no mercado aberto, ou, alternativamente, fazer o saque, caso a peça seja vendida colectivamente. Em  tal configuração, um artista pode receber financiamento antes da produção, mantendo ao mesmo tempo a propriedade parcial da arte. Os token podem também permitir às galerias pré-financiar a compra de obras de arte.

Obras de arte derivadas: O surgimento de novas obras de arte derivadas poderia ser outra aplicação da arte tokenizada. Poder-se-ia criar contractos inteligentes convolutos que dessem direitos de acesso a obras de arte derivada com a compra de uma pintura real. Poder-se-ia acrescentar características extra, tais como a ligação de um ficheiro digital à obra de arte física, assim como a integração de características de realidade aumentada no token. Por exemplo, um vídeo que documenta o processo de produção da obra de arte. Os tokens podem ligar permanentemente a obra de arte física ao seu ficheiro digital, de modo a que o ficheiro digital se torne parte da obra de arte física e aumente o seu valor. Os tokens de arte também abrem novas formas de expressão artística e criação de valor, como a gamificação, e podem levar à fusão de arte, realidade virtual e jogos.

O conteúdo aqui apresentado foi retirado do livro “Token Economy” de Shermin Voshmgir, traduzido e adaptado para português por mim, José Rui Sousa, em conjunto com António Chagas, Courtnay Guimarães e Joana Camilo, publicado sob uma licença Creative Commons CC BY-NC-SA apenas para uso não-comercial.

Os tokens não-fungíveis (NFT – Non Fungible Tokens) são de natureza única, com propriedades variáveis que podem ser distinguidos uns dos outros. Os NFT podem representar bens digitais, únicos, e portanto escassos, tais como arte e outros bens coleccionáveis ou imóveis. Os NFT podem também representar identidades e certificados, tais como licenças, graus, chaves, passes, identidades, testamentos, direitos de voto, bilhetes, tokens de fidelização, direitos de autor, garantias, licenças de software, dados médicos, e certificados de qualquer tipo, tais como cadeias de fornecimento ou certificados de arte. Antes do aparecimento da Web3, os sistemas de identificação e certificação, bem como os activos únicos e escassos, eram dispendiosos de gerir, pois dependiam da validação e segurança das entidades emissoras centralizadas. Os registos distribuídos, por outro lado, permitem uma infra-estrutura descentralizada e verificável publicamente para emitir e gerir estes activos a custos operacionais muito baixos.

Em 2013, “Colored Coins” foi um dos primeiros projectos que tentou anexar propriedades únicas a um símbolo. A ideia era utilizar tokens bitcoin para representar bens do mundo real como ações, obrigações, mercadorias, ou a escritura de uma casa. “Counterparty” foi outro projecto que se baseou nesta ideia, mas foi um passo mais à frente. Permitiu aos utilizadores criar os seus próprios bens virtuais no topo da rede Bitcoin. Com o surgimento da rede Ethereum, ambos os projectos lutaram para obter uma ampla adopção. Os NFTs começaram a atrair muita atenção quando foi introduzido o padrão de tokens ERC-721, especialmente após o sucesso dos “Crypto Kitties“, um jogo na rede Ethereum onde os jogadores podem coleccionar e criar gatos digitais, e onde o “código genético” digital único de cada gato é armazenado na ledger da Ethereum. 

No dia 1 de maio de 2007, Mike Winkelmann, também conhecido como o artista digital Beeple, postou uma nova obra de arte online. Ele fez a mesma coisa no dia seguinte, e no outro, e nos próximos durante 13 anos e meio. Agora, todas essas obras foram reunidas em EVERYDAYS: THE FIRST 5000 DAYS, algo único na história da arte digital. Essa colagem foi vendida na Christie’s (maior casa de leilão do mundo) por uns incríveis 69 milhões de dólares.

De acordo com o próprio comprador da obra, Vignesh Sundaresan (conhecido por MetaKovan): “Este NFT é uma peça significativa da história da arte. Às vezes, essas coisas levam algum tempo para que todos reconheçam e percebam. Eu estou bem com isso. Tive a oportunidade de fazer parte dessa mudança muito importante na forma como a arte foi percebida por séculos”. Em sua entrevista com a CNBC, ele disse que não se arrepende de ter pagado 69 milhões de dólares por um arquivo JPEG.

O token ERC-721 permite atributos mais detalhados que tornam um token especial, para além dos atributos que podem ser encontrados nos tokens ERC-20. Permite a inclusão de metadados sobre um bem e informação sobre a propriedade. Quando validada, essa informação adicional pode acrescentar valor, garantindo a proveniência da arte, dos bens coleccionáveis, ou ao longo da cadeia de fornecimento de outros bens e serviços. O sucesso do ERC-721 provavelmente também desencadeou outros projectos de blockchain, tais como a rede NEO, para desenvolver os seus próprios padrões de tokens não-fungíveis.

Cripto-coleccionáveis & Cripto-jogos: Os cripto-coleccionáveis permitem a tokenização de bens únicos, quer de coleccionáveis virtuais, quer de coleccionáveis do mundo real. Os NFT podem ser utilizados para representar qualquer activo dentro do jogo, de forma a permanecerem sob controlo do utilizador em vez do criador do jogo. Os Cripto Kitties despertaram muita atenção para esta nova classe de activos na altura em que entupiram a Rede Ethereum. A Major League Baseball nos EUA lançou “MLB Crypto”; agora, “MLB Champions” é um dos poucos jogos baseados em blockchain no Google Play onde itens digitais únicos podem ser comercializados fora do próprio jogo em mercados como o “Opensea“. Apenas para ter uma ideia do quanto já está em desenvolvimento, aqui está uma selecção de jogos, coleccionáveis, e mercados que os comercializam: “Cryptofighters“, “Decentraland“, “Etherbots“, “Ethermon“, “Gods unchained“, “Plasmabears“, “0xUniverse“, “Hyperdragons“, “Loom”, “Spells of Genesis“, “Crafty“, “Superrare“, “FlowerToken“, “Unico“, “OpSkins“, ou “Rarebits“.

Tokens de Ativos: Os tokens de activos permitem investimentos únicos ligados a um objeto físico, como obras de arte únicas, bens imóveis, ou quaisquer outros activos e títulos do mundo real. Poder-se-ia tokenizar um edifício, onde alguns tokens poderiam conceder títulos de propriedade simples de uma fracção do bem imobiliário, enquanto outros tokens poderiam conceder privilégios especiais como direitos de acesso. Os tokens não-fungíveis podem também ser utilizados para representar obras de arte. Tal tokenização de activos existentes no mundo real pode dar aos investidores uma oportunidade de expandir a sua carteira e fornecer mais liquidez ao mercado. Os NFT podem conceder aos detentores de tokens diferentes níveis de controlo sobre os seus activos (ler mais: Parte 4 – Tokens de Activos e Propriedade Fraccionária).

Tokens de Identidade, Certificados, & Reputação: Qualquer coisa que represente de forma única uma pessoa, pode ser representada como um token não-fungível: qualquer tipo de identificação ou certificado como históricos escolares, diplomas universitários, ou licenças de software que estejam ligados à existência de uma única pessoa. Um diploma poderia ser emitido e gerido colectivamente por um livro-razão distribuído sem necessidade de ser traduzido, autenticado manualmente, ou verificado. Um software semelhante a uma Wallet poderia gerir todos os dados pessoais sem a necessidade de instituições centralizadas armazenarem os nossos dados. O token representaria um recipiente para informações de identidade relacionadas com uma pessoa específica, sem dar informações sobre o que é identificado. Os pedidos de certificação podem ser associados ao token, que seria emitido pelas entidades de confiança que emitem estas certificações. Se correctamente concebidos, os tokens de reputação poderiam ser associados a identidades e resolver desafios como as “fake news“.

Tokens de acesso: NFT pode ser utilizado para gerir qualquer tipo de direito de acesso que esteja ligado a uma pessoa especial, um bem especial, ou um evento especial. Ledgers distribuídas geridas colectivamente utilizando criptografia de chave pública podem oferecer uma gestão de direitos de acesso mais segura e descentralizada do que soluções de gestão de direitos de acesso digitais geridos centralmente e podem substituir chaves físicas, chaves digitais, e palavras-passe.

Tokens de transferência: Quando nos dias de hoje alguém falece, a herança precisa muitas vezes de ser dividida entre várias pessoas, o que pode produzir consideráveis despesas burocráticas e custos de coordenação para dividir o valor destes bens. Isto é especialmente verdade no caso de bens intangíveis que têm um longo processo de liquidação antes de o valor poder ser dividido entre os beneficiários. Embora a propriedade fraccionada seja possível hoje em dia, os tokens de transferência geridos por um livro-razão distribuído diminuíria em larga escala os atritos existentes nas transferências de bens testamentários.

Parte do conteúdo aqui apresentado foi retirado do livro “Token Economy” de Shermin Voshmgir, traduzido e adaptado para português por mim, José Rui Sousa, em conjunto com António Chagas, Courtnay Guimarães e Joana Camilo, publicado sob uma licença Creative Commons CC BY-NC-SA apenas para uso não-comercial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *